Confira os enredos das escolas de samba do Grupo Especial de SP

As escolas de samba do Grupo Especial vão desfilar no Sambódromo do Anhembi nas noites de sexta-feira, 1°, e sábado, 2 de março de 2019.

A Colorado do Brás, vice-campeã do Acesso, abre o desfile na sexta-feira às 23h15 e a Águia de Ouro, a campeã do Acesso, será a primeira agremiação a se apresentar no desfile de sábado às 22h30. Veja a ordem dos desfiles:

Grupo Especial – sexta-feira, 1º de março

23h15 – Colorado do Brás

00h20 – Império de Casa Verde

01h25 – Mancha Verde

02h30 – Acadêmicos do Tucuruvi

03h35 – Acadêmicos do Tatuapé

04h40 – X-9 Paulistana

05h45 – Tom Maior

Grupo Especial – sábado, 2 de março

22h30 – Águia de Ouro

23h35 – Dragões da Real

00h40 – Mocidade Alegre

01h45 – Vai-Vai

02h50 – Rosas de Ouro

03h55 – Unidos de Vila Maria

05h00 – Gaviões da Fiel

+ Confira a programação dos circuitos de Salvador no Carnaval

Confira os enredos das escolas de samba do Grupo Especial

Colorado do Brás

Enredo de 2019: ” Hakuna Matata Isso é Viver ”

Compositores: Marcio Pessi, Edson Daffé, Evandro Bocão, Pereira e Marcelo

Isso é viver Hakuna Matata

É lindo dizer… Hakuna Matata

Pulsa nosso povo apaixonado

Queniano é o tambor da Colorado

A corrente se quebrou

O chão estremeceu

Liberdade amanheceu

Em lindo raio avermelhado

A savana então brilhou o atabaque acolheu

O canto da Colorado

Jambow sinta a força que tem o Orixá

É amor, a magia da fé pelo ar…

Espíritos guerreiros, giram nos terreiros

Místicos em tradições e rituais

Que unem continentes, abrigam sua gente

África orgulha seus ancestrais

Ôôô um grito contou

A sombra do baobá

Num toque a lua iluminou

E a teia formou o ventre de tudo que há

No mar e rios de encantos

Hei de encontrar cavalos marinhos

Entre os cristais navegam meus sonhos

Iemanjá abrindo os caminhos

Um paraíso floresceu

Pássaros cruzaram o céu

A natureza se curvou ao rei

Não há problemas se aprender assim eu sei

Canção é sentimento

Alegria que o povo ecoou

Sua alma seu destino sua cor

Império de Casa Verde

Enredo: “O Império Contra-Ataca”

Compositores : Acerola de Angola, Almir Mendonça, Luiz Jacaré, Rapha Maslionis, Leandro Rato, Marcelão e Pedro Carmo

O Império Contra-Ataca

Vem ver o meu Império a brilhar

Num filme pra te emocionar

Prepare o coração

E deixa o Tigre te levar

A luz da imaginação

Que ganha projeção e se eterniza

Reluz em nossos corações

Transborda emoções nessa avenida

Guiado pelo encanto num mundo em preto e branco

Deixa o vento me levar que eu vou

Pelos jardins num lindo toque de magia

Pode chover que eu vou cantar de alegria

Encontro além do arco íris um castelo

Seguindo a estrada de tijolos amarelos

A batalha do bem e do mal entra em cena

Toda fantasia invade o cinema

Tem bruxaria no ar, mil maravilhas contar

É aventura, ninguém segura

Romances que tanto marcaram

Não foram deixados no fundo do mar

O futuro não espera, é a nova era numa odisseia espacial

Tudo vai se transformar, tudo pode acontecer

Imperiano, que a força esteja com você

E a Casa Verde mais uma vez vem deslumbrar a passarela

O nosso elenco dando um show na sua tela

Seja você um personagem

A grande estrela da sétima arte

Mancha Verde

Enredo: ” Óxala, salve a princesa! a saga de uma guerreira negra!”

Compositores: Sereno, Chefia, Darlan Alves, André Ricardo, Rodrigo e Rodolfo Minueto e Gui Cruz

Oxalá, salve a princesa! a saga de uma guerreira negra!

O Ora Iê Iêo… Ora Iê Iêo Mamãe Oxum

Um ventre de luz, o fruto do amor

Kaô Kabecilê Xangô

África… suntuosa riqueza

África… reluz o encanto e a nobreza

A fé conduz o congo a lutar

Tristeza… marejou meu olhar

Oh Senhor, tem piedade…

Dos corações sem liberdade

A alma que chora, a pele que sangra

Qual será o meu valor?

Entrego minha vida

Rainha do mar, Iemanjá

Aportei, na terra do sol e do maracatu

Vidas no suspiro derradeiro

Na fria solidão do cativeiro

Mãos calejadas a lavourar

Não perdi a fé nos Orixás

Senhora do Rosário, oh Nossa Senhora

Aos pés do seu altar, clamo a igualdade

Palmares, vi um céu de luz e liberdade

A força de Zumbi a nos guiar

Nas bênçãos de Oxalá

Tambores vão ecoar, a festa vai começar

O meu batuque traz a força do terreiro

A Mancha Verde é Kizomba amor

Salve a princesa! Viva o povo negro!

Acadêmicos do Tucuruvi

Enredo: ” Liberdade – O Canto Retumbante de um Povo Heroico ”

Compositores: Fábio Jelleya, Igor Soró, Henrique Barba, Tim Peixoto, JC Castilho, Leandro Augusto, Edu Borel, Brunão Govetri, Marcelo Nunes, Newtinho e Leonardo Bessa

Senhor, escutai a nossa voz!

A prece que vem do coração

Eu sei que as feridas vão secar

No dia da libertação

No seio da mata surgiu um grito de guerra

Na luta contra a força do invasor

O nosso chão sangrou

Já fui lamento no balanço do tumbeiro

E subo o morro feito um nobre partideiro

Ôôô sou resistência na dor!

Quando o sol vai brilhar, meu Deus?

Reluzindo liberdade

Pra tirar do papel, o sonho

De viver com dignidade

Vem me dê a mão

Preciso de você que tanto prometeu

Por que se esqueceu dos seus ideais?

Somos todos iguais!

Caminhando contra o vento, eu vou

Pra quebrar as correntes

Quem sabe faz a hora, não espera acontecer

Apesar de você

Vamos romper as barreiras

Erguer as bandeiras, por mais união

Oh! Meu Brasil!

A liberdade emana do amor

Meu direito à igualdade não representa favor!

Tucuruvi espalha um canto pelo ar

Vai ecoar, vai ecoar

Meu brado é forte, quero mudança

Avante filhos da esperança!

Acadêmicos do Tatuapé

Enredo ” Bravos guerreiros. Por Deus, pela honra, pela justiça e pelos que precisam de nós ”

Compositores: Fabiano Tenor, Mike Cândido e Luiz Fernando Ramos

Eu andarei

Protegido com as armas de Jorge

No altar do samba

sob o clarão do luar ô luar

Coragem pra cumprir minha missão

Em nome da fé acreditar

Na força que emana da alma do povo

Lutando se escreve a história

Honra Batalhas e glórias

Axé meus Orixás herança dos ancestrais

Bade iá babá Okân Araloko

Bade iá babá Um canto de amor

Ogubhê Obá Sirê Oyá

Oke arô Kaô kaô

Do céu a mensagem de paz

Diz que o sonho não tem fronteiras

É amar e amar sem pensar

Fazer o bem a cada manhã

Um mundo melhor pra se viver

E não perder a fé (sabe porquê?)

Sou brasileiro

Vou defender minha nação

Oh Pátria amada idolatrada não chores em vão

Sou brasileiro

Sou sambista sim senhor ôôôô

De tantos carnavais

Bambas imortais

Respeite por favor

Tá no corpo e na alma Corre na veia

Sangue azul e branco que me faz delirar

Tatuapé A escola da emoção

Bravos guerreiros num só coração

X-9 Paulistana

Enredo: ” O show tem que continuar! meu lugar é cercado de luta e suor, esperança num mundo melhor ”

Compositores: Arlindo Neto, André Diniz, Claudio Russo, Márcio André Filho, Marcelo Valência e Darlan Alves

Samba de arerê pra você voltar

Zona Norte é Madureira

Ando louco de saudade, olha o povo pedindo bis…

Ainda é tempo de viver feliz!

Não subestime um filho de Xangô

A recompor a vida

O Alujá ecoa forte no rum,

O Ylê de Ogum, convida,

O ídolo, parceiro, companheiro, irmão,

Símbolo maior do samba em minha geração,

Gênio, pai herói… o clarão da lua cheia, Candeia

Nos versos que ele semeou

Gira bailarina, seu eterno amor

A porta-bandeira, frutos na tamarineira

La-laiá, laia, laiá…

O banjo no peito, sambista perfeito, o mestre imortal

Lá, Laiá, Laiá…

O samba agradece, floresce no fundo do nosso quintal

Aos olhos grandiosos de Oxalá

Serrinha marejou o seu olhar

Que brilha na coroa imperial

Um lume imponente, divinal

Da lança de São Jorge protetor

A esperança de um Quixote sonhador

É voz dos humildes por um pedaço de chão,

Voz dos humildes por um pedaço de pão

Favela, de gente sofrida, mas que valoriza a própria raiz

Aquela que sente na pele as chagas da vida, a dor do país

X-9 a cantar, conduz até seu lugar à luz,

A continuar o show de Arlindo Cruz…

Tom Maior

Enredo: ” Penso… logo existo – As interrogações do nosso imaginário em busca do inimaginável ”

Compositores: Carlos Jr, Didi Pinheiro, Paulinho Miranda, Beah, Biel, Marcos Vinicius, Lucas Donato, Fabiano Sorriso e Carlos Dórea

É coisa de pele, além da razão

É impossível viver sem meu Pavilhão

O meu coração disparou

Em Tom Maior, meu grande amor

De onde vim? Pra onde vou?

Eis o mistério a resolver

O amanhã, não sei, o que será

Quem irá me responder?

Sempre em transformação

É a Teoria da Evolução

Do fruto proibido, o paraíso perdido

Seguindo com fé, é Deus quem me guia

Na crença ou na mitologia

Vai resplandecer a luz que existe em você

Destino traçado na palma da mão

Nas cartas do tarot, mais uma previsão

O brilho da lua a noite revela

Tem sorte quem nasce virado pra ela

Se querer é poder, eu vou criar

Buscar na ciência, superar

Uma alquimia! E quem diria

No azul do céu voar

Se tudo é relativo no meu Carnaval

O sonho hoje é muito mais real

Será que “nesse mundo” estou sozinho?

Depois do fim, qual o caminho?

Segredos da imaginação

Mas se um dia alguém vier me perguntar

Vermelho e amarelo é o meu DNA

Eu quero ver quem vai duvidar!

Águia de Ouro

Enredo: ” Brasil, eu quero falar de você! ”

Compositores: Rafael Prates, Russo, Turko, Rafa Malva, Maracá, Fabio Souza, Wagner Rodrigues, Ivanzinho, Jairo Limozine, Carioca, Peu, Fernandão, Zanza Simião, Silva Oliveira, Waltinho, Salles, Fernandinho SP, Paulo Senna, Léo Rocha, Rodolfo Centenaro, Renne Campos, Márcio Filhos da Águia, Nando do Cavaco, André Ricardo, Filosofia, Tuca, Rafael Babú, Leandro Batas, Dico, Diley Machado, Jacopetti, Portella

Mãe, por que não te fizeste mais gentil?

Mãe! Por eles batizada de Brasil

Pra onde foi o teu olhar

Quando do mar se aproximou

A caravela da ganância

A ambição do invasor

O teu herdeiro então chorou

Derramou seu sangue em vão

E nos tornamos os escravos do próprio chão

Ontem preso na senzala, maldade e dor

O negro suplicava: – ó meu senhor!

Hoje amargo preconceito,

Liberdade é uma quimera

Viver livre quem me dera!

Vejam só que ironia

Da colônia a monarquia por aqui nada mudou

“Imperava” uma história mal contada

Logo após “republicada” pelas mãos do ditador

Em “planos” um país descolorido

Saqueado e dividido

O poder de quem tem mais

A farra das elites sociais

E o povo na rua, revestido de coragem

“Lava a alma” de esperança pra acabar com a sacanagem

Meu Deus escute a Águia cantar

Oh Pai lhe peço: Olhai por nós!

Somos filhos dessa pátria

Que não cuida do que é seu

E não ouve a nossa voz

Dragões da Real 2018

Ala das baianas no desfile da Dragões da Real em 2018 Foto: Felipe Rau/Estadão

Dragões da Real

Enredo: “A invenção do tempo. Uma Odisseia em 65 minutos”

Compositores: Armenio Poesia, Xandinho Nocera, Léo do Cavaco, Galo, Ronaldo Maransaldi, Renne Campos, Paulo Senna, Alemão do Pandeiro, Fábio Brazza, CG e Wagner Rodrigues.

Amor…

Nada será como antes

Tudo vai se transformar

O Guardião do destino

Num sopro divino, vai nos revelar

O homem buscou dominar

Segundos contados na areia

A cada invenção

Nos ponteiros da ilusão

Desvendar o futuro que virá

Viajar no passado e aprender

O presente mudar

Tudo pode acontecer

Somos escravos da hora

Senhores do agora

Num mundo veloz

Será que é o tempo que passa

Ou quem passa somos nós?

Quando a sirene tocar

Vai eternizar tamanha emoção

Será a história mais linda

“Marcada” pelo coração

Quem sonhar vai viver essa vitória

Lutar e vencer, é nossa raiz

Avante dragões, chegou sua hora

É tempo de ser feliz!

Mocidade Alegre 2018

Integrante da escola de samba Mocidade Alegre desfila no Sambódromo do Anhembi Foto: Rafael Arbex/Estadão

Mocidade Alegre

Enredo: ” Ayakamaé – As águas sagradas do sol e da lua ”

Compositores: Biro Biro, Gui Cruz, Imperial, Maradona, Portuga, Rafael Falanga, Rodrigo Minuetto, Turko e Vitor Gabriel

Meu canto é guerreiro, sou Mocidade

Vermelho no sangue e na cor

Vou pelas águas que Tupã abençoou

Amazonas, meu amor! (Amazonas… Amazonas, meu amor!)

Eu sou… o verdadeiro dono dessa terra

Mareja em meu olhar, todo o encanto dessas águas

Ayakamaé… um rio de amor

Deságua em ti, das lágrimas de prata do luar

Em noite proibida de amar

O brilho que aquece a manhã

Um santuário de vida floresceu

Na proteção de bravos Manaós

Yara seduz ao cantar

Na correnteza a caminho do mar

Ariê auê… na mata ecoou

O toque do tambor

Na reza do pajé um ritual

Do Rio Sagrado a cura pra vencer o mal

Ê… caboclo da pele morena,

Que faz da palha trançada um poema

Prá descrever… todo o suor da sua lida

A fé conduz… nesse banzeiro a sua vida

O sol… beijando as águas ao entardecer

Encontra a lua prá fazer valer

A jura eterna de uma paixão

Transbordam dentro do meu peito,

As águas da inspiração,

Que faz “Morada” em cada coração

Vai-Vai

Enredo: ” Vai-Vai, o quilombo do futuro ”

Compositores: Edegar Cirillo, Marcelo Casa Nossa, André Ricardo, Dema, Gui Cruz, Rodolfo Minuetto, Rodrigo Minuetto e Kz

É que eu sou da pele preta

Quilombo do povo… Sou Vai-Vai

Um privilégio que não é pra qualquer um

Protegido e abençoado por Ogum

Axé… Eu sou a negra alma do Bixiga

Herança que marcou a minha vida

Tem que respeitar minha raiz

O Orum vai desvendar toda a verdade

Pra resgatar a nossa identidade

Das linhas que a história apagou

África… A negra mãe da humanidade

Nas marcas de um passado tão presente

A luta que Mandela ensinou

É a força de lutar por nossa gente

Clamando a justiça de Xangô!!!

Ô Inaê… Rainha do mar!

Alodê… Iabá, Odoyá…

Cuida de mim Mamãe

Leva meu pranto

Em seus braços o meu acalanto

Ecoa o grito forte na senzala

Nos olhos brilha um novo amanhecer

Aruanda ê… Aruanda…

Trago a força de palmares

Pra vencer demanda

A liberdade é minha por direito

Não vamos tolerar o preconceito

Somos todos irmãos

E a luz da razão vai nos guiar

Sorrir… “sim, nós podemos” sonhar

Pois temos um futuro pela frente

Punhos cerrados a Saracura está presente

Rosas de Ouro 2018

Bateria da escola de samba Rosas de Ouro Foto: Rafael Arbex/Estadão

Rosas de Ouro

Enredo: ” Viva Hayastan! ”

Compositores: Vini Carvalho, Didi Pinheiro, Marcinho JK, Bolt Mascarenhas, Rafael Pinah, Sandra Miranda e Fernando de Paula

Ganhei o mundo

O destino escolheu assim

O sentimento mais profundo

Está guardado em mim

Tu és o sol que faz brilhar o meu sorriso

Reflete o esplendor do paraíso

Símbolo de força e coragem

Deus levou todo pecado em suas águas

Berço de guerreiros fascinantes

Onde a vida teve outra chance

A fé que ilumina o meu caminhar

Fez o povo acreditar

Mudou a história, foi preciso seguir

Vencer batalhas, não desistir

Palavras bordadas no tempo

Revelam o amor que eu sinto por ti

Orgulho estampado no peito

Que hoje reluz e floresce aqui

Teus filhos te abraçam, oh mãe soberana

Somos herança da tua raiz

A arte que corre nas veias

Faz nossa gente feliz

A Rosas ergue a bandeira da superação

E canta Armênia nesse carnaval

Celebrando a união

Tem que respeitar a minha identidade

Roseira é felicidade

A esperança de um novo amanhã

Viva, Hayastan!

Unidos de Vila Maria

Enredo: “Nas asas do grande pássaro, o voo da Vila ao Império do Sol”

Compositores: Aquiles da Vila, Rapha Sp, Marcus Boldrini, Salgado Luz e Leandro Flecha

Me leva, ó, vento, me leva!

A Vila vai viajar,

Nas asas do condor, ao som da poesia:

Voar…voar…voar…

Um sopro além da história,

A brisa a bailar

Reviram os grãos da nossa memória.

A energia de um lindo lugar:

Império do sol, no alto dos Andes,

Onde o pranto do céu formou a nascente.

Fonte da vida, das águas, emana!

Viva a Nação Peruana!

Ó, luz, que banha todo esse chão!

Esse povo de pele morena

Tem o seu valor!

Pode acreditar!

Seu tempero eu quero provar!

A fé em suas divindades,

Os templos e as orações!

Sagradas crenças sejam louvadas

Em seus andores e procissões.

Seu ritmo ardente tem essência:

É cultura, “famosa cadência”!

Abre as asas sobre nós!

Duas nações, o mesmo ninho,

O eldorado, uma só voz!

Gaviões da Fiel 2018

Torcida acompanha desfile da Gaviões da Fiel em 2018 Foto: Rafael Arbex/Estadão

Gaviões da Fiel

Enredo: ” A saliva do santo e o veneno da serpente ”

Compositores : Janos Tsukalas (Grego) e Vladimir Moura Leite (Magal)

É meu santo é forte

Não adianta me picar

Sou Gavião e você pode acreditar

Que não aceito traição

E o veneno da serpente

Eu transformo em semente

É o tabaco em plantação

Erva santa curou dores

Seduziu com seus sabores

Café e rapé em Paris

A nobreza aspirava

E ficava mais feliz

Vou, vou pra Bahia

Acende a chama

No terreiro de Iá Iá

É a força da magia

Que me arrepia

E se espalha pelo ar

Saravá, saravá

Salve o santo guerreiro

E uma vela prá saudar

Meu São Jorge padroeiro

Mulher, mulher, mulher

Quem te viu e quem te vê

O que embaça se perdeu virou fumaça

Liberdade pra você

É um raro prazer

Sabor de emoção

Mais não abuse

Que faz mal pro coração (e pro pulmão)

 

*Notícias ao Minuto




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *