Bolsonaro sinaliza que realizará mudanças também na diretoria da Petrobras

Após trocar o comando da Petrobras, o presidente da República, Jair Bolsonaro, deu indicações de que realizará mudanças também na diretoria da estatal, como já antecipado pelo Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado. “Se ficar mais seis meses, eles podem ter uma política de continuísmo do que vinha acontecendo”, declarou o chefe do Executivo a jornalistas na saída de uma igreja em Brasília.
Irritado com a alta do preço dos combustíveis em ano eleitoral, Bolsonaro demitiu Bento Albuquerque do Ministério de Minas e Energia e José Mauro Coelho da presidência da Petrobras.

Para a pasta, nomeou Adolfo Sachsida, que integrava o Ministério da Economia; para a estatal, indicou Caio Paes de Andrade, outro braço-direito de Paulo Guedes.

A mudança na cúpula da estatal abre caminho para mudanças na diretoria. Como mostrou a reportagem, o governo deve indicar Iêda Cagni para presidir o Conselho de Administração da Petrobras e alterar a composição das outras cinco vagas a que tem direito na composição do Conselho.

Bolsonaro reiterou críticas à Petrobras e disse que o Brasil paga R$ 6 bilhões em fundo de pensão para “velhinhos norte-americanos”, em referência à distribuição de dividendos da empresa, que tem ações negociadas em bolsa aqui e no exterior.

“Quem vendeu os papéis para minoritários? O governo Lula”, declarou o presidente da República, dando novo tom eleitoral para o impasse dos combustíveis.

“Os minoritários têm poder enorme dentro da Petrobras, não querem saber e a gasolina está a R$ 8 e o diesel a R$ 7. Eles querem ganhar dinheiro, virou Petrobras Futebol Clube, até o fim social prevista na constituição não é cumprido. É a petrolífera que mais lucra no mundo”, disparou o chefe do Executivo, que chamou o lucro da Petrobras de “estupro”.

 

*Folhapress




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *