Bolsonarista carboniza corpo da noiva após matá-la e finge ser ela em mensagem de “Feliz Natal” à família

A Polícia Civil de Minas Gerais prendeu na capital Belo Horizonte, na manhã desta quinta-feira (7), Daniel Sudario, suspeito de ter matado a própria noiva, Fernanda Caetano Vasconelos.

Em conversa com a reportagem da Fórum, um primo de Fernanda, que acompanhou toda a investigação, informou que Sudario confessou o crime após ser detido.

Fernanda tinha 34 anos, era de Unaí e estudava Enfermagem em Belo Horizonte. Segundo seu primo, a mulher sempre mantinha contato com a família mas, no dia 22 de dezembro, esses contatos foram cessados.

A Polícia Civil de Minas Gerais prendeu na capital Belo Horizonte, na manhã desta quinta-feira (7), Daniel Sudario, suspeito de ter matado a própria noiva, Fernanda Caetano Vasconelos.

Em conversa com a reportagem da Fórum, um primo de Fernanda, que acompanhou toda a investigação, informou que Sudario confessou o crime após ser detido.

Fernanda tinha 34 anos, era de Unaí e estudava Enfermagem em Belo Horizonte. Segundo seu primo, a mulher sempre mantinha contato com a família mas, no dia 22 de dezembro, esses contatos foram cessados.

Desde o dia 22, Fernanda era tida como desaparecida e, preocupada, a família foi à polícia. Seu noivo, Daniel Sudario, teria também demonstrado preocupação, mas forneceu aos parentes da vítima informações desencontradas: para alguns, dizia que deixou a mulher em uma rodoviária para para ir até Unaí no dia 24, para outros, no dia 23.

Este mesmo primo de Fernanda que conversou com a Fórum conta que, preocupado, resolveu no último domingo (3) ir atrás de Sudario para obter mais informações sobre o paradeiro da mulher. Ele diz que o noivo passou dois endereços onde, supostamente, ele morou junto com a vítima e a polícia descobriu, depois, que ambos os endereços eram falsos. Além disso, a família de Fernanda teria recebido mensagens do número dela de “feliz Natal” quando ela já estava desaparecida, o que indica que seu noivo, após cometer o assassinato, estaria utilizando seu celular e se passando por ela.

Já na segunda-feira (4), a Polícia Civil entrou em contato com a família de Fernanda informando que o corpo carbonizado encontrado naquele 22 de dezembro poderia ser dela, fato que se confirmou após análise de impressão digital. Desde este dia, a polícia passou a vigiar Sudario e reunir provas contra ele. O suspeito foi detido nesta manhã e confirmou o crime.

Fernanda foi velada e enterrada em caixão fechado nesta quinta-feira (7) e o resultado da autópsia que confirmará o motivo da morte deve ser divulgado em até 30 dias. Sudario segue preso e a polícia, nas investigações, trabalha a tese de feminicídio.

Pelas redes sociais, um grupo de estudantes do curso de Enfermagem de Fernanda postou uma homenagem. “É com aperto no coração que comunicamos o falecimento da nossa aluna Fernanda Caetano Vasconcelos. Uma aluna muito dedicada e com uma vontade imensa de ser Enfermeira. Nossos sentimentos à família e amigos. FERNANDA…cuide de nós aí em cima. Você estará sempre em nosso corações”.

O jornalista Bruno Sartori, amigo da vítima, também repercutiu o caso em seu Twitter.

Bolsonarista

Nas redes sociais, Daniel Sudario demonstrava ser um apoiador do presidente Jair Bolsonaro, com logomarcas de campanha do então candidato em 2018 em suas fotos de perfil.

Ele também tinha por hábito posar com espadas e, em uma das publicações no Instagram, aparece vestindo uma camiseta com a frase: “Eu não sou o herói que você queria. Eu sou o monstro que você precisava”.

 

*Revista Fórum




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *