Prints de conversas de rapazes planejando estuprar aluna são divulgados; Veja!

Após denunciar e tornar público quem são os autores das mensagens de WhatsApp que incitaram ao estupro, as estudantes da UFRA estão sendo ameaçadas com mais violência sexual

Após denunciarem à polícia local e a Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA), em Belém/PA, que membros de um grupo de WhatsApp compartilharam mensagens que incitam o estupro, as universitárias estão sendo ameaçadas novamente com mais promessas de ataque sexual. As jovens fizeram novos posts nas redes sociais, denunciando as novas ameaças, que, segundo elas, estão acontecendo porque fotos e dados pessoais dos autores das mensagens estão sendo expostos publicamente pelas estudantes.

Um boletim de ocorrência foi registrado nesta terça-feira (7/8), na Divisão de Proteção e Repressão a Crimes Tecnológicos (DPRCT), contra pelo menos dois integrantes do grupo no WhatsApp. Os suspeitos também seriam universitários da UFRA. As mensagens teriam sido compartilhadas após uma festa no fim de semana. Além de mensagens como “Bora logo meter o estupro” e “Estupro não. Sexo surpresa”, eles também teriam compartilharam imagens íntimas das universitárias. Outras mensagens de cunho racista e homofóbico também teriam sido registradas, além de um ranking com os nomes das estudantes mais bonitas da universidade.

Cerca de quatro estudantes denunciaram o caso, mas mais de 15 teriam sido alvo da conversa no grupo.

Protestos foram realizados no campus exigindo alguma atitude da instituição de educação. Nessa terça-feira (7/8), estudantes se organizaram e fecharam a pista da universidade cobrando resposta e justiça. Outros colaram cartazes nas paredes da UFRA, expondo seus autores. Nas redes sociais a repercussão ainda é grande, a maioria contrária às mensagens machistas.

 

*Veja Agora




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *