Mestre de jiu-jítsu é encontrado morto após passar cinco dias desaparecido

O mestre de jiu-jítsu Irailson Gama foi encontrado morto no domingo (2), após cinco dias desaparecido. Conhecido como Sinho Baiano, ele era um dos principais nomes do esporte no estado. A suspeita da família é que ele tenha reagido a uma tentativa de assalto. Já a Secretaria da Segurança Pública informou, no início da tarde desta segunda-feira (3), que Sinho Baiano foi morto numa abordagem policial.

De acordo com o cunhado de Sinho, o também mestre de jiu-jítsu Marcelo Villas Boas, 41 anos, a família não sabia o paradeiro do mestre desde quarta-feira (28). Na noite de domingo, a esposa de Sinho, Marta Helena, foi até a sede do Instituto Médico Legal Nina Rodrigues (IML), nos Barris, e descobriu que o corpo do marido estava lá. Desde a última quarta, buscando pelo marido, Marta já tinha passado por hospitais e por delegacias.Segundo ele, a família ainda não sabe dizer em que circunstâncias Sinho foi morto. Marcelo também disse não saber se o cunhado reagiu a uma tentativa de assalto. “Pode ser que sim, pode ser que não. Depende da situação, depende do momento. Se ele reagiu e foi isso, reagiu por instinto mesmo”, contou.

O local onde o mestre de jiu-jítsu foi encontrado também não foi informado pela família. “A gente está só cuidando do funeral. Está sendo difícil para a gente, sabe como é, né? Perder um ente querido. Está tudo vago, conhecidos já procuraram em delegacias e não tem nenhum registro”. Campeão brasileiro
Sinho Baiano começou a lutar jiu-jítsu aos 13 anos. Aos 21, participou do primeiro campeonato vale-tudo. Hoje, boa parte da família – incluindo a esposa, com quem estava há 15 anos, e o filho de 12 anos – também se dedica ao esporte.

Entre os principais resultados dele, estão o tricampeonato baiano estadual na modalidade, o 3º Lugar na Copa do Mundo de Jiu-Jitsu, em 2010, e o 1º lugar em peso e absoluto da 2ª Etapa do Campeonato Mundial, em 2015, em Buenos Aires. Este ano, Sinho também foi vice-campeão do Floripa Fall International Open Jiu-Jítsu, em Florianópolis.

“Sinho era um campeão. Dedicado ao esporte, cheio de sonhos. Estava com planos para ir para a Europa lutar com o filho, com a família. O jiu-jítsu uniu todo mundo. Infelizmente, o sonho foi interrompido”, lamentou Marcelo.

Como professor, Sinho tinha um projeto para ensinar o esporte na Base Comunitária de São Caetano, bairro onde morava com a família. No projeto, ministrava aulas gratuitas de jiu-jítsu para crianças e adultos.

 

*Correio 24 horas




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *