Furacão Michael: como tempestade ‘menosprezada’ se tornou a 3ª mais forte a atingir os EUA

O furacão Michael – terceira tempestade mais forte a atingir os Estados Unidos na História – devastou o noroeste da Flórida, inundando cidades costeiras e derrubando árvores.

Ele chegou à costa na quarta-feira, por volta das 14h do horário local (15h de Brasília), como uma tempestade de categoria 4 e ventos de até 250km/h.

Já deixou dois mortos, incluindo uma criança, nos Estados Unidos, e pelo menos 13 durante sua passagem pela América Central: seis em Honduras, quatro na Nicarágua e três em El Salvador.

Após entrar pela região conhecida como Panhandle, no noroeste da Flórida, o furacão perdeu força sobre a Geórgia e foi rebaixado para tempestade tropical. Agora, está a caminho das Carolinas do Sul e do Norte.

A tempestade deixou centenas de milhares de residências e empresas sem eletricidade na Flórida, no Alabama e na Geórgia.

Quão devastador é Michael?

Apenas uma tempestade anônima, conhecida como furacão do Dia do Trabalho, que atingiu a Flórida em 1935, e o furacão Camille, que devastou o Mississippi em 1969, chegaram ao continente com intensidade maior.

A pressão barométrica da tempestade do Dia do Trabalho (quanto menor o número, mais forte o furacão) era de 892 milibares, e Camille tinha 900. Já Michael adentrou a costa com 919.

Michael se mostrou tão poderoso ao varrer a Flórida que permaneceu como furacão enquanto avançava para o interior do país.

Embora tenha enfraquecido depois, sua rápida intensificação pegou muitos de surpresa.

A excepcionalmente alta temperatura das águas do Golfo do México acelerou a transição da tempestade tropical para furacão no último domingo.

Na terça-feira, Michael era classificado como um furacão de categoria dois, mas na manhã de quarta-feira já estava perto da categoria cinco, o nível mais alto.

Quem são as vítimas?

De acordo com as autoridades, um homem foi morto durante um incidente envolvendo a queda de uma árvore no condado de Gadsden, na Flórida.

No condado de Seminole, na Geórgia, uma proteção de carros de metal foi levada por uma rajada de vento e atingiu um trailer, matando uma menina de 11 anos.

Travis Brooks, diretor da Agência de Gerenciamento de Emergência de Seminole, disse à ABC News que houve “uma devastação completa e total”.

Qual o tamanho do estrago na Flórida?

Mais de 370 mil pessoas receberam ordens para deixar a Flórida, mas as autoridades temem que muitos tenham ignorado o alerta.

A cidade costeira de Apalachicola registrou a ocorrência de uma onda de quase 2,5 metros.

“Há tantas linhas de transmissão e árvores derrubadas que é quase impossível atravessar a cidade”, disse o prefeito Van Johnson, segundo a agência de notícias Reuters.

Imagens de Mexico Beach, por onde o furacão entrou, mostram muitas casas submersas. Houve ainda sérios danos a edifícios na região de Panama City.

“Estamos aflitos”, afirmou Timothy Thomas, que enfrentou a tempestade com a esposa em Panama City, à agência de notícias Associated Press.

A tempestade deixou milhares de residências e empresas sem luz, depois que linhas de transmissão de energia foram destruídas pela queda de árvores.

Brock Long, diretor da Agência Federal de Gerenciamento de Emergências, disse à Casa Branca que estava preocupado com os edifícios construídos antes de 2001, que não conseguiriam suportar ventos tão fortes.

“Esperamos que essas estruturas possam resistir”, respondeu o presidente Donald Trump.

Partes da Flórida, Alabama, Geórgia e Carolina do Norte decretaram estado de emergência.

Escolas e escritórios estaduais localizados na área devem permanecer fechados nesta semana, e a Flórida acionou 3,5 mil soldados da Guarda Nacional.

E agora?

De acordo com o Centro Nacional de Furacões (NHC, em inglês), os ventos da tempestade caíram para 96 km/h no início da manhã desta quinta-feira.

O instituto alertou ainda que as comunidades no noroeste da Flórida e na Carolina do Norte enfrentam ameaça de inundações com risco de morte, à medida que a água se desloca da costa para o interior.

As Carolinas do Norte e do Sul ainda estão se recuperando das enchentes provocadas pelo furacão Florence, no mês passado.

 

 

*BBC Brasil




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *